Imagen ilustrada basada en fotografías del contexto real de las comunidades.

Giovanni Salazar.
Colombia

O último ritual do pranto do povo Cubeo para se despedir do avô dos Hehenava

Cocreadores

Conoce a las y los integrantes de este proyecto >

Jun 15, 2021 Compartir

Consulta este contenido en los idiomas y lenguas

Na comunidade Wacurabá, nas selvas dos Vaupés (Amazônia colombo-brasileira), vive Raúl Gómez, o último conhecido da família Warí Hehenava, um dos clãs do povo indígena Cubeo. Aos 75 anos, ele representa o legado cultural de toda a linhagem de uma família ancestral. Na voz do próprio Raúl, o dia de sua morte será a última vez que sua comunidade experimentará o ritual do pranto, uma das cerimônias de despedida aos sábios de seu clã. 

Os Cubeo perderam grande parte de suas tradições e o Oyno, ou ritual do pranto, não é tão comum para gerações recentes, a ponto dos filhos de Raúl pudessem participar dessas cerimônias e, assim, aprender. Agora que a Covid-19 ameaça a vida de idosos, os avós de diferentes clãs, incluindo os Huruba, Coroba e Yavicareva, alertam que Raúl é o único que sabe sobre isso.

Para evitar que este legado desapareça, Raúl, seu filho Rigoberto e outros membros da comunidade realizaram o ritual de choro para compartilhar com as crianças e jovens esta cerimônia que invoca profundamente seus seres espirituais.

Ficha técnica

Tipo de conteúdo: Sonoro
Ano de realização: 2021
Título da série: Vozes da Amazonia: ouça, a memória fala!
Realizado(ra): Emerson Castro
Lugar: Vaupés, Colombia
Duração: 13:00:56

O último avô do clan Hehenava e o ritual do pranto

Familias indígenas del pueblo Cubeo que viven sobre las cabeceras del río Cuduyarí, en el Vaupés, Colombia, realizaron el ritual del llanto para despedir en vida al abuelo Raúl Gómez, el último sabedor del clan Warí Hehenava. La ceremonia se realizó para dejar un legado a las nuevas generaciones.

O ritual do pranto é uma cerimônia fúnebre realizada pelos indígenas do povo Cubeo, na Amazônia colombiana, em homenagem aos principais personagens de seu clã: sabedores, dançarinos, doutores tradicionais e lideranças que foram de grande importância para a conservação das suas tradições.

Raúl Gómez, de 75 anos, o último sábio da família Warí Hehenava, será aquele a quem será oferecido este ritual no dia de sua morte. Ele carrega a linhagem mais pura dos Hehenava.

O avô Raúl é atualmente o mais velho de seu clã. Sua voz e saber são respeitados por preservar o legado cultural dos primeiros homens que habitaram aquela parte da fronteira da Amazônia colombiana com o Brasil.

O que vem para os Hehenava depois de Raul? É a pergunta de seus filhos e dos habitantes de Wacurabá, território situado às cabeceiras do rio Cuduyarí, lugar sagrado no topo de um planalto com formações rochosas do maciço guianense, onde convivem diferentes clãs do povo cubano.

“Ele tem muito conhecimento, também histórias de curas; ele é como um símbolo de autoridade, o ponto central do conhecimento da comunidade, porque sem ele, não sei como estaria Wacurabá”, diz Rigoberto Gómez, filho de Raúl e líder de seu clã.

É verdade que quando o sábio Raúl se despedir da matéria neste mundo, ele levará consigo a cerimônia do pranto. O dia de sua morte será a última vez em que a comunidade viverá este ritual, que invoca os seres sagrados da floresta e seus criadores.

Os Cubeo perderam muito de suas tradições e o Oyno, ou ritual do pranto, não é tão comum a ponto de as gerações recentes, como a dos filhos de Raúl, pudessem participar dessas cerimônias e, assim, aprender. Agora que a Covid-19 ameaça a vida de idosos, os avós de diferentes clãs, incluindo os Huruba, Coroba e Yavicareva, alertam que Raúl é o único que sabe sobre isso.

“Quando celebramos, estamos chamando os espíritos dos mortos sabedores, e enquanto celebramos aqui, eles vêm participar das cerimônias”, diz Raúl, lembrando o significado do ritual.

Para evitar que este legado morresse com Raúl, seu filho e demais membros da comunidade realizaram o ritual do pranto para se despedir de seu último conhecido, mas sobretudo para convidar os jovens a compreender e participar dos rituais mais antigos, sua relação dos calendário ecológico, os costumes de seus avós e a ligação com seus ancestrais.

Em Vaupés existem apenas 42 famílias desta linhagem que ainda preservam práticas antigas, que foram desaparecendo de geração em geração.

“Cada vez são menos os pilares que sustentam a nossa cultura, a identidade dos povos originários da América do Sul. Suas tradições, saberes e aquela ligação com os seres mitológicos que um dia deram vida e ferramentas aos primeiros homens estão desaparecendo ”. É o sentimento das autoridades tradicionais de Wacurabá que permitiu a concretização desta história sonora produzida pela Agenda Propia e La Marandúa, o jornal Vaupés.

Comparta en sus redes sociales

1681 visitas

Comparta en sus redes sociales

1681 visitas


Comentar

Lo más leído


Ver más
image

Rituales para llamar la lluvia, la respuesta espiritual de los Yampara a la sequía

Espiritualidad para combatir la sequía que afecta a familias indígenas productoras.

image

Indígenas en México son guardianes de la abeja nativa pisilnekmej

La cosecha de la miel de la abeja melipona, especie sin aguijón, es una actividad ancestral de los pueblos indígenas Totonakus y Nahuas en la Sierra Norte de Puebla, en México. La producción beneficia económicamente a las familias y les permite proteger el territorio, pero hay serias amenazas sobre la actividad.

image

Curso virtual Periodismo indígena, territorio y medio ambiente

Regístrate e inicia este curso virtual para mejorar las coberturas sobre las realidades de los pueblos originarios con enfoques en derechos humanos, Madre Tierra, territorio y medio ambiente. ¡Ingresa ahora!