Imagen ilustrada basada en fotografías del contexto real de las comunidades.

Giovanni Salazar.
Colombia

Tanimuka, o povo que dança para cuidar da saúde da humanidade e da selva

Cocreadores

Conoce a las y los integrantes de este proyecto >

Jun 15, 2021 Compartir

Consulta este contenido en los idiomas y lenguas

No meio da floresta amazônica da Colômbia, os Tanimuka se comunicam com seu território por meio da dança e da música. Essa história, feita a partir de Wakaya, uma aldeia indígena em Miriti Paraná, reúne as vozes e os sentimentos de um médico tradicional, um cantor, um jovem e uma criança, que representam a esperança de garantir que essa prática da dança, intimamente ligada aos ciclos de vida da selva, seja transmitida às novas gerações.

Ficha técnica

Tipo de conteúdo: Sonoro
Ano de realização: 2021
Título da série: Vozes da Amazônia - Escute, a memória fala!
Realizado(ra): Waima'aka'ru Omaira Tanimuka Letuama
Lugar: Wakaya, Amazonas, Colômbia
Duração: 00:18:08

Dançar e cantar para nos comunicar com a selva

Dança e canto são manifestações vivas da comunidade indígena de Wakaya, território amazônico banhado pelos afluentes do rio Miriti Paraná, na Amazônia colombiana, onde jovens, crianças e adultos dançam para invocar os espíritos da selva, curar o corpo, limpar os pensamentos e agradecer pelas colheitas e pela própria vida.

Por: Waima'aka'ru Omaira Tanimuka Letuama.

Mais de 20 famílias dos povos indígenas Tanimuka, Letuama e Brasileiros vivem na comunidade Wakaya, em Miriti Paraná. Seu alimento espiritual e físico tem uma relação profunda com a selva por meio da música e da dança.

Nesta peça sonora são partilhadas vozes dos homens que mantêm viva esta tradição que, por meio de canções e danças, trazem o pensamento da selva para se relacionar com ela, e integrar a vida comunitária ao seu ciclo ecológico e espiritual.

“Todas as danças têm sua história e quando você dança tem que falar algo sobre a origem dessa dança, você está mencionando algo que tem que coincidir com a música e os personagens também aparecem nela”, diz José Eladio Tanimuka, vocalista principal da comunidade.

Nestes espaços, duas figuras são muito importantes, o sábio da aldeia e o cantor, que complementam os seus saberes para cuidar e prevenir doenças, mas acima de tudo para levar alegria à comunidade.

José Eladio, como cantor, e Ever Tanimuka, como autoridade tradicional, ensinam a jovens e crianças, como Darío Silva e Emiliano Tanimuka, as histórias, significados e saberes que estão ao redor da dança, para que mantenham vivo esse saber que lhes foi garantido, segundo José Eladio, que desde o início do mundo o ser humano continua se relacionando em harmonia com a mãe selva.

As danças desta comunidade são uma mistura de pensamentos. Ever diz que os Tanimuka perderam muitas danças ao longo do tempo, mas que graças a sua união desta com outras comunidades, foi se integrando um conhecimento que permite a convivência.

O professor e historiador Angel Tanimuka explica que, segundo a tradição oral, em tempos antigos e de conflitos entre etnías, os Letuama e os Tanimuka aliaram-se para sobreviver. Os Tanimuka eram muito fortes no xamanismo, ou seja, nas curas, enquanto os Letuama eram fortes na dança. Atualmente, eles compartilham esse conhecimento para manter a harmonia em todos os sentidos, desde as comunidades até os ciclos ecológicos da selva.

Hoje, estes espaços de encontro são acompanhados por trajes e instrumentos tradicionais como o carrizo (um instrumento de sopro, que em algumas etnías da Amazônia brasileira é conhecido como cariço), o osso de veado, o caracol, o maguaré e a lança. “São instrumentos que se usam, são pensamentos colhidos do ritual, com aquele som eles limpam os maus pensamentos que vem atrapalhar a dança”, diz José Eladio.

Hoy en día, estos espacios de encuentro se acompañan de los trajes tradicionales y de instrumentos como la flauta, el carrizo, el hueso de venado, el caracol, el maguaré y la lanza. “Son instrumentos que se usan, esos son pensamientos recogidos del ritual, con ese sonido ellos limpian el mal pensamiento que viene a dañar el baile”, dice José Eladio.

O canto e a dança são práticas que as comunidades estão fortalecendo para que todo o conhecimento cosmogônico ao seu redor não desapareça, e se converta na memória viva de um povo inteiro.

Notas: 

  • Os entrevistados falam a sua língua materna, Tanimuka, por isso honramos este conhecimento e agradecemos o esforço que fazem para nos contar esta história em espanhol para que possa ser entendida por um vasto público.
  • A série sonora Vozes da Amazônia - Ouça, a Memória fala! foi produzida em um processo de cocriação com jornalistas e comunicadores indígenas da Rede Tecendo Histórias (Red Tejiendo Historias, en español), sob a coordenação editorial do meio independiente Agenda Propia

Comparta en sus redes sociales

1680 visitas

Comparta en sus redes sociales

1680 visitas


Comentar

Lo más leído


Ver más
image

Rituales para llamar la lluvia, la respuesta espiritual de los Yampara a la sequía

Espiritualidad para combatir la sequía que afecta a familias indígenas productoras.

image

Indígenas en México son guardianes de la abeja nativa pisilnekmej

La cosecha de la miel de la abeja melipona, especie sin aguijón, es una actividad ancestral de los pueblos indígenas Totonakus y Nahuas en la Sierra Norte de Puebla, en México. La producción beneficia económicamente a las familias y les permite proteger el territorio, pero hay serias amenazas sobre la actividad.

image

Curso virtual Periodismo indígena, territorio y medio ambiente

Regístrate e inicia este curso virtual para mejorar las coberturas sobre las realidades de los pueblos originarios con enfoques en derechos humanos, Madre Tierra, territorio y medio ambiente. ¡Ingresa ahora!