Imagen ilustrada basada en fotografías del contexto real de las comunidades.

Giovanni Salazar.
Bolivia

O bésiro, a linguagem da Floresta Seca Chiquitana

Cocreadores

Conoce a las y los integrantes de este proyecto >

Jun 15, 2021 Compartir

Consulta este contenido en los idiomas y lenguas

Das entranhas da Floresta Seca Chiquitana, na bacia amazônica boliviana, 29 comunidades indígenas da nação Monkoxi resistem para revitalizar a língua bésiro, após ela ser atacada por uma prática colonizadora da escola pública, que privilegiava o espanhol.

Os mais velhos da comunidade recordam, ruidosamente, como nas escolas das décadas de 1950 e 1960 era proibido falar em sua língua nativa, o bésiro. Atualmente, sua luta é a de revitalizar o idioma, como parte de um processo coletivo para construir sua autonomia e seu governo indígena.

Ficha técnica

Tipo de conteúdo: Sonoro
Ano de realização: 2021
Título da série: Vozes da Amazônia - Escute, a memória fala!
Realizado(ra): Malkya Tudela.
Lugar: Lomerío, Bolivia
Duração: 00:11:45

O bésiro, uma língua nativa a recuperar nas entranhas da Floresta Seca Chiquitana

As comunidades indígenas da nação Monkoxi, localizadas em Lomerío, na Floresta Seca Chiquitana (ecossistema da Amazônia boliviana), narram com urgência a necessidade de revitalizar sua língua, o Bésiro. Os idosos se lembram de quando foram proibidos de falar sua própria língua. Hoje eles consideram importante retornar às suas raízes linguísticas para recuperar sua identidade.

Aos poucos, a língua bésiro foi erradicada das vozes dos filhos de Lomerío pelos professores da escola fiscal, que vinham de terras distantes falando espanhol. 50 anos se passaram esse ataque ao idioma nativo na região boliviana de La Chiquitanía, e os caciques agora estão tentando revitalizar a língua para fortalecer a identidade dos povos indígenas, como os da nação Monkoxi, e construir sua autonomia política.

Na Terra Comunitária de Origem (TCO) da Comunidade Lomerío, localizada na Floresta Seca Chiquitana, na planície boliviana, as crianças que receberam castigos para forçá-las a falar em espanhol são agora os avós das comunidades. São eles que mais usam o bésiro para se comunicarem, pois a escola deixou a língua deles em segundo plano, mas não conseguiu eliminá-la.

“Quando os padres e professores chegaram, nos obrigaram a aprender espanhol”, diz Marcelino Peña Sumamí, 65 anos. Ele foi para a escola pela primeira vez aos 13 anos de idade, e passou dois anos aprendendo o básico das disciplinas de Humanidades.

Marcelino nasceu na comunidade Palmira, na década de 1950, mas foi somente em dezembro de 2020 que ele testemunhou a aprovação do estatuto autônomo da TCO Lomerío para o autogoverno da nação Monkoxi Bésiro. O território, formado por pequenos morros cobertos de floresta (que deram origem ao nome Lomerío), é uma fronteira natural para o avanço do agronegócio no departamento de Santa Cruz, que busca terras planas para a monocultura da soja.

“Nós, como povo, exigimos do Estado nossa autonomia territorial indígena, o que implica fortalecer, por meio de nosso idioma, a autodeterminação e o autogoverno do povo da nação Monkoxi”, afirma Elmar Masay, chefe da Comunidade Indígena Central de Lomerío (CICOL).

Uma prioridade

A TCO Lomerío agrupa 29 comunidades indígenas e, ao mesmo tempo, se sobrepõe à administração municipal da cidade de San Antonio de Lomerío, que cobre um território menor. De acordo com o Censo de 2012, havia 5.849 pessoas no município, das quais 3.991 têm como língua materna o espanhol e 1.647 com “outras línguas oficiais”, embora apenas as línguas aimará, quíchua e guarani estejam especificados neste grupo (18, 4 e 3 alto-falantes, respectivamente).

Em 2017, o Centro de Estudos Jurídicos e Pesquisas Sociais (CEJIS), com apoio financeiro da União Europeia, desenvolveu um levantamento dentro do projeto Navegador Indígena para conhecer as necessidades mais urgentes das comunidades. Três foram identificados: acesso à água, segurança alimentar e recuperação do bésiro.

No caso da revitalização da língua, o CEJIS e o CICOL trabalharam nas comunidades de San Simón e Palmira em dois níveis: no ciclo da escola primária e nas reuniões familiares com mães e crianças menores de 3 anos.

Marcelino e sua esposa, María Pocoena Tomichá, 61, participaram como voluntários dessas reuniões domiciliares em que o exercício consistia em praticar o bésiro nas atividades comuns da casa, onde os filhos costumam atuar como ajudantes da mãe carregando pequenos objetos de um lado para o outro.

Como tem sido ensinar bésiro para crianças? Maria diz que foi difícil. “Eles vêm um pouquinho, ficam sentados, depois começam a andar, pior (se distraem) se não tem nada que os convide a continuar. Eles ficam sentados ouvindo o que alguém fala; às vezes mandamos trazer jasayecito, matecito, tutuma ”, diz María, citando um cesto feito de folhas de palmeira (jasayé) e o recipiente feito a partir da tutuma (fruto que lembra o porongo, no Brasil).

Mas a intenção de usar o bésiro na família, no dia a dia e dentro de casa foi entendida pelas mães. Maria conta que o filho da professora da comunidade já entende, fala e cumprimenta na língua dos avós.

Elementos não favoráveis

Pedro Ípamo, cacique de Puquio, comunidade a cinco minutos de moto de Palmira, é uma década mais novo que Marcelino e María. Ele ainda sente os castigos dos professores na escola e está entusiasmado com o uso da linguagem deles, mas não é otimista.

A migração dos jovens para a cidade e as novas tecnologias jogam contra a prática da própria língua, afirma Pedro.

A música com flauta e pandeiro também está cedendo espaço ao som que chega por meio dos telefones celulares. “Não se escuta mais a nossa música, nas festas tudo é amplificador”, diz Pedro. À noite, por exemplo, os trabalhadores contratados pelo cacique limpam a grama da praça central de Puquio, ouvindo em voz alta no celular uma peça da cantora andina Yarita Lizeth Yanarico.

Apesar de Marcelino ser músico, o que ele sente mais falta é do barulho das pessoas em suas atividades na comunidade. “Agora está tudo vazio”, diz, nostálgico, porque além dos nove filhos, apenas dois estão na comunidade.

Marcelino e María se dedicam ao cultivo de suas terras ocres e rochosas que ainda lhes fornecem milho, mandioca e abóbora para seu próprio consumo. Por acordo interno, alguns membros da comunidade extraem madeira.

O trabalho na terra e na floresta diminuiu. A caça e a pesca foram reduzidas porque os animais selvagens recuam cada vez mais, e o rio diminui seu fluxo.

O curioso é que as frases que Marcelino e María mais usam para dar exemplos de frases na língua Bésiro dizem respeito a ir caçar ou pescar.

Refugiados no monte

A TCO Lomerío sofreu o impacto dos incêndios florestais em 2019 - que afetaram 5,7 milhões de hectares da Floresta Seca Chiquitana e regiões de planícies e pantanais, segundo a Fundação Amigos da Natureza - FAN.

Apesar deste panorama, a presença das comunidades protege a cobertura florestal de Lomerío, e esse é o objetivo da sua organização CICOL. O cacique Elmar Masay destaca, nesse sentido, o significado do nome da nação Monkoxi, por se referir a um povo que sempre existiu, existe, e que futuramente ocupará aquele território.

Marcelino e María também não enxergam futuro fora de sua comunidade e sem trabalhar em seu lote. Eles são como entrincheirados no território, esperando o retorno de seus filhos.

“Um dia nossos filhos vão voltar, o que vamos mostrar a eles, o que fizemos pelo trabalho. Diremos a eles: esse é o nosso trabalho aqui, enquanto você esteve fora ”, diz María.

Na Amazônia boliviana, junto com o Bésiro, existem povos com língua própria que vivem ameaças semelhantes em relação a idiomas como araona, baure, canichana, cavineño, cayubaba, teacobo, chimán, esse ejja, guarani, guarasu’we, guarayu, itonama, leco, machineri, maropa, mojeño-trinitario, mojeño-ignaciano, moré, mosetén, movima, sirionó. tacana, tapiete, toromona, yuqui, yuracaré y zamuco.   

Observação. A série sonora documental Voces de la Amazonia Escuta, a memória fala! Foi produzida em um processo de cocriação com jornalistas e comunicadores indígenas e não indígenas da Rede Tejiendo Histórias, sob a coordenação editorial do meio independente Agenda Propia.

Comparta en sus redes sociales

1734 visitas

Comparta en sus redes sociales

1734 visitas


Comentar

Lo más leído


Ver más
image

Rituales para llamar la lluvia, la respuesta espiritual de los Yampara a la sequía

Espiritualidad para combatir la sequía que afecta a familias indígenas productoras.

image

Indígenas en México son guardianes de la abeja nativa pisilnekmej

La cosecha de la miel de la abeja melipona, especie sin aguijón, es una actividad ancestral de los pueblos indígenas Totonakus y Nahuas en la Sierra Norte de Puebla, en México. La producción beneficia económicamente a las familias y les permite proteger el territorio, pero hay serias amenazas sobre la actividad.

image

Curso virtual Periodismo indígena, territorio y medio ambiente

Regístrate e inicia este curso virtual para mejorar las coberturas sobre las realidades de los pueblos originarios con enfoques en derechos humanos, Madre Tierra, territorio y medio ambiente. ¡Ingresa ahora!