América Latina

Manifesto #APalavraEmRisco: A Mãe Terra fala. Escutemos!

May 3, 2024 Compartir

Consulta este contenido en los idiomas y lenguas

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, compartilhamos esta mensagem coletiva para nos convidarmos a escutar melhor a Mãe Terra e a continuar protegendo aqueles de nós que cuidam dela e a narram.

Com a afirmação “sem as vozes das narradoras e dos narradores não existe história completa” e a pergunta, como protegemos #APalavraEmRisco?, a mídia independente Agenda Propia, conjuntamente com sua Red Tejiendo Historias, co-criaram o terceiro manifesto em defesa do cuidado aos jornalistas, comunicadores e comunicadoras interculturais que com os nossos relatos e reportagens fazemos visíveis as realidades dos povos, preservamos a biodiversidade e protegemos os legados e as memórias vivas dos territórios. 

Esta declaração começou a ser tecida por meio de diálogos e exercícios de escrita coletiva na cidade de Mocoa, região andino-amazônica colombiana, onde mais de uma centena de participantes –de regiões rurais e urbanas, e de comunidades camponesas e indígenas– do Festival Espiral de Historias contribuíram com suas vozes. Depois o processo chegou à Red Tejiendo Historias, composta por mais de 400 pessoas de 17 países da América Latina (Abya Yala), através do formulário digital e uma roda virtual da palavra. 

Esta iniciativa parte das experiências locais de jornalismo e de comunicação comunitária, reconhecendo as diversas origens de nossos povos, carrega uma mensagem de soluções, de cura e positivas, em meio a esta crise ambiental, nos apoiando em “todas as vozes que a gente é”. 

No Manifesto #APalavraEmRisco: A Mãe Terra fala. Escutemos!, declaramos que: 

Reconhecemosnossa Mãe Terra como um ser espiritual que nos conecta a partir do visível e o invisível. Dela nasce a água, que é a vida; o fogo, que é a força; o ar, que é o oxigênio. Se não escutarmos nossos mensageiros, a terra fala por si mesma. Temos que respeitar sua beleza, não modificar a ordem e o sistema natural”. 

Compreendemos que “o desafio do jornalismo colaborativo intercultural e da comunicação é despertar sentidos reais de pertença nas comunidades. Temos que sentir-pensar o que acontece ao nosso redor para conseguir expressá-lo”.

Trabalhamos coletivamente e com nossos saberes para “cuidar, proteger, salvaguardar, defender e manifestar a importância da vida e de todos os seres nos nossos territórios”. 

Criamos relações que permitem tecer vínculos e novas formas de comunicação onde umas e outros coincidimos por meio da palavra. Juntamos universos divergentes. 

Enquanto jornalistas, comunicadorxs e narradorxs interculturais, nos comprometemos com e recomendamos

  • Escutar mais e falar menos (Para sentir-pensar melhor o chamado da Mãe Terra). 
  • Reconhecer as diversidades e construir a partir das diferenças. 
  • Aprender e desaprender para narrar as realidades dos povos.
  • Continuar chegando nos territórios indígenas, quilombolas e camponeses para conhecer suas raízes.
  • Incluir narrativas e perspectivas que contribuam a curar a terra e seus ecossistemas. 
  • Levar em conta todas as vozes, percorrendo o caminho das sabedoras e dos sabedores.
  • Narrar, comunicar e dialogar em línguas próprias.
  • Insistir que o conhecimento dos povos originários é tão importante como o científico.
  • Co-criar a partir da espiritualidade e da terra.
  • Reflorestar o próprio coração e o das nossas famílias e comunidades. 
  • Recuperar e aplicar os saberes ancestrais. Colocar a oralidade e a palavra no centro. 
  • Ensinar para as gerações mais novas as narrativas interculturais e o jornalismo.
  • Apoiar a comunicação a partir dos nossos próprios territórios para que as vozes não sejam distorcidas nem silenciadas.
  • Falar com lideranças mulheres e homens, narradores e jornalistas indígenas e não indígenas que tema sido deslocados pela força. Escutar elas e eles no exílio. 
  • Aproveitar a tecnologia para preservar os saberes e conhecimentos. 
  • Continuar criando redes e fortalecer as que já existem para nos articularmos e trabalhar coletivamente.

3 de maio de 2024, América Latina.

Este Manifesto é publicado com o propósito de que seja escutado, acolhido e visibilizado na região por mais comunicadoras, jornalistas, narradores, meios, coletivos e diversas organizações. O jornalismo colaborativo intercultural comunica as mensagens dos territórios, fortalece as comunidades e dignifica o caminhar dos povos.

Nossos manifestos

No marco do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa em 2022 foi publicado o Manifesto #LaPalabraEnRiesgo: Voces del territorio por la vida”, e em 2023 “#LaPalabraEnRiesgo: Comunicamos para sanar la memoria”. Nos dois, a Red Tejiendo Historias expôs os desafios e riscos que ameaçam a vida da natureza e a de narradores e defensores. Nossas regiões encaram conflitos ambientais, o crime organizado, violações contra os direitos humanos, migrações e extrativismo, enquanto seus habitantes resistem e tecem narrativas transformadoras e de esperança. Por tanto, é urgente melhorar as condições de segurança e de harmonia física e espiritual para fazer um jornalismo colaborativo e intercultural melhor. 

Agradecemos a:

  • A Mãe Terra, os seres espirituais e as comunidades que nos permitem contá-las. 
  • As 200 pessoas que participaram no Festival Espiral de Historias realizado em Mocoa, Putumayo, Colômbia, nos dias 29 de fevereiro y 1 de março de 2024.
  • Jornalistas da Red Tejiendo Historias de México, Guatemala, Colômbia, Bolívia, Panamá, Venezuela, Chile, Argentina, Costa Rica e Brasil, que estiveram presentes na roda de palavra de co-criação e responderam ao formulário participativo.
  • As diversas mídias aliadas que se somam à divulgação do Manifesto 2024 #APalavraEmRisco: A Mãe Terra fala. Escutemos!
  • A equipe intercultural de Agenda Propia.

Comparta en sus redes sociales

1231 visitas

Comparta en sus redes sociales

1231 visitas


Comentar

Lo más leído


Ver más
image

Rituales para llamar la lluvia, la respuesta espiritual de los Yampara a la sequía

Espiritualidad para combatir la sequía que afecta a familias indígenas productoras.

image

Indígenas en México son guardianes de la abeja nativa pisilnekmej

La cosecha de la miel de la abeja melipona, especie sin aguijón, es una actividad ancestral de los pueblos indígenas Totonakus y Nahuas en la Sierra Norte de Puebla, en México. La producción beneficia económicamente a las familias y les permite proteger el territorio, pero hay serias amenazas sobre la actividad.

image

Curso virtual Periodismo indígena, territorio y medio ambiente

Regístrate e inicia este curso virtual para mejorar las coberturas sobre las realidades de los pueblos originarios con enfoques en derechos humanos, Madre Tierra, territorio y medio ambiente. ¡Ingresa ahora!